fbpx
Sem categoria

Preciso implementar a metodologia TPM ou WCM para diminuir minhas corretivas?

By 23 de outubro de 2020 No Comments

A grande maioria das pessoas pensam desta maneira. E eu entendo o motivo. Eu também pensava assim.

Uma frase que já muito ouvi, e disse também, era:

  • Na Petrobrás é melhor que aqui;
  • Ou, queria trabalhar em um lugar em que essas ferramentas todas girassem de uma maneira correta e eu parasse de apagar incêndio;

A verdade é que as duas respostas podem estar corretas. Ou erradas. Pra mim é muito mais uma questão de olhar para a grama do vizinho e achar que ela é mais verde que a nossa.

Tive a oportunidade de trabalhar em empresa de pequeno, médio e grande porte. Uma delas é a própria Petrobrás. Posso dizer que é uma empresa fantástica. Tenho orgulho de ter trabalhando lá. Mas não se engane, lá tem muitos problemas como em todos os lugares.

E graças à possibilidade de poder atuar em várias empresas de tamanhos diferentes, segmentos diferentes e culturas também diferentes, posso afirmar que não é um TPM implantado ou um WCM o diferencial para que as manutenções corretivas diminuíssem.

Está preparado para ouvir algumas, talvez duras, verdades? Vem comigo!!!

Antes de ser bom, você precisa ser frequente

Você decide perder peso. Na primeira semana você leva lanche para o trabalho, ou começa a fazer caminhada, ou simplesmente para de jantar, ou faz qualquer outro processo que te ajude a diminuir de peso.

Chega na segunda semana você já volta a jantar pelo menos um dia. Já não leva mais o lanche pro trabalho. A caminhada você já desistiu. Você acredita que irá, por exemplo, cumprir sua meta de perder 5 quilos em um mês? Acredito que você já tem a resposta se começar a se sabotar.

O mesmo acontece com a manutenção. Você cria o Plano de 52 Semanas. Uma semana o inspetor realiza todas as OS’s, nas outras já não o faz mais. O mesmo ocorre com as preventivas. Um mês você fez e depois só a “meia sola”. Você acredita que fazer uma vez será suficiente? Acredito que concorde comigo que não.

Aí você deve estar pensando: mas eu não tenho pessoal, minha empresa não me apoia, ou qualquer outro motivo. Existem vários. Digo isso pois já passei pela mesma situação. Mas tiveram algumas coisas que fizemos:

  • Programador de manutenção, o planejador e o engenheiro foram para a área fazer as inspeções. Feito é melhor que perfeito. Mas não só isso. Identificamos porque precisamos ir (pois não é o certo) e atuamos depois na causa raiz. Mas batemos a meta daquela semana;
  • Pedimos o inspetor para ir no final de semana para poder executar todas as inspeções;
  • Fizemos mini reformas em feriados pra poder diminuir o indicador de manutenção  Back-log. Com isso as paradas por problemas que pareciam crônicos diminuíram;
  • Provamos por meio de números que as melhorias surtiam efeito. Isso foi suficiente para ganharmos credibilidade e apoio da nossa gerência (éramos subordinados à produção);

Essa empresa não era grande. Fizemos tudo com o mesmo recurso que tínhamos. Se ficássemos com o pensamento que somente na Petrobras conseguiríamos fazer algo do tipo, jamais teríamos feito. Busque cumprir todas as metas semanais, seja frequente e você verá que seus números irão melhorar.

Uma jornada de 1.000 passos começa com o primeiro

 Essa frase é um dos maiores clichês existentes. Mas um dos mais verdadeiros também. As pessoas anseiam por grandes resultados, mas por achar que ele está longe não começam.

Você sabe quantas máquinas sua empresa tem? Se você não tem pelo menos uma planilha com esta lista, não vale. Pergunto hoje para vários clientes e alunos. Quantos equipamentos você tem? A resposta que espero não é me dizerem o número exato. Mas que se eu esperar em 2 minutos ele vai em algum lugar e me passar a listagem inteira.

O mesmo acontece com plano de manutenção. Pessoas me perguntam constantemente como fazer o melhor plano de manutenção. Aquele que aborda tudo, nada passará batido, que irá permitir cercar 100% das possíveis falhas. Quando pergunto qual é o plano de manutenção da máquina hoje, me respondem que não tem. Existem algumas maneiras de criar um plano de manutenção que já abordamos aqui. Se ontem não tinha um e hoje ele tem 2 linhas, já é melhor que o anterior. Se nos próximos mês ele tem 5, já é melhor que o de 2 linhas. Faça o seu melhor e dê carta branca ao inspetor para atualizá-lo sempre que necessário. Um plano mediano ainda é melhor que nenhum. E sabe o motivo? Se você não tem plano, duvido que tem ido na máquina. A não ser já pra botar pra funcionar porque parou. Se você tem um básico, só de dar uma volta no equipamento você pode pegar alguma anomalia que não veria se não fosse lá checar 5 itens. Crie, em seguida atualize seu plano de manutenção solicitando o inspetor a inserir um item novo cada vez que for efetuar uma inspeção.

Crie seu cadastros de equipamentos, seus planos de manutenção, analise a criticidade, faça seu Mapa de 52 Semanas, crie sua carteira de serviço, bota a programação semanal pra rodar. Quando isso tudo tiver pronto, rodando, com os indicadores no topo. Você pode começar a pensar em classe mundial.

Mas pense comigo: se você fizer tudo acima, será que já terá resultado? Reflita!

Você pode ter alguns pilares implantados e não sabe (e não vai precisar dos demais!!!)

 Se você tem o cadastro de manutenção, planos de manutenção, programação… você tem o pilar de manutenção focalizada. Se você tem todos seus processos procedimentados e instruções de trabalho para seus serviços, pilar Manutenção da Qualidade. Se seus operadores fizerem algumas manutenções pontuais, você tem Manutenção Autônoma.

Convido você a ler a dissertação do Igor sobre TPM aplicado à Caldeiras Flamotubulares. Se eu te disser que no final ele prova por meio de números que não é preciso aplicar todos os pilares para obter grandes resultados você acredita? Confere lá!

Quase toda relação tem um começo, início e um fim

Quando pedi demissão do meu primeiro emprego, antes de sair fui até a sala do dono para agradecer pela oportunidade que me deu. Tinha 19 anos. Ele se aproximou de mim em sua sala e disse:

– Relação empregado e empregador é igual marido e mulher. Se não está bom para um dos dois, você tem que sair. Hoje por vontade própria você quer ir embora. É uma perda, mas respeito. Pois se não tivesse satisfeito com você a relação seria cortada por nossa parte. Obrigado pelo seu esforço nesse período, as portas estão abertas e o melhor do mundo pra você.

Duas coisas me chamaram a atenção nesse discurso:

  • Nunca tinha visto ele elogiar ninguém. Fiquei feliz que as portas estavam abertas;
  • Descobri no meu primeiro emprego que existe uma troca nas empresas. Sempre que um não atende a expectativa do outro, um lado vai se romper. Muitas vezes é melhor nós rompermos que os outros conosco

Carrego essa frase pra mim até hoje. E por várias vezes ela foi decisiva para eu mudar de empresa. Às vezes, por mais que você seja um ótimo funcionário, não vale lutar contra aquela cultura, aquele sistema. Saia antes de apagar a luz.

Trabalhei em uma empresa onde não estava mais satisfeito com a postura deles perante não só a manutenção, mas como toda operação. Comecei a procurar emprego em outras empresas. Demorou cerca de um ano e meio. Consegui uma vaga em uma maior e com mais recursos. Alguns anos depois à minha saída a anterior quebrou. Não existe mais. E se eu tivesse ficado lá brigando e conformado que eles são difíceis e não adianta fazer nada? As vezes a melhor decisão é romper. Mas pelo amor de Deus (ou no que você crê): não saia de um lugar sem ter outra coisa em mente. Precisamos ser inteligentes, não loucos!

Comece pequeno para ser grande

Antes de pensar lá na frente, procure fazer o básico. O BE-A-BÁ. O básico bem feito dá resultado. E tenho certeza que se conseguir o fazer em uma empresa pequena que seja, um dia a grande verá. Foi assim comigo, com outras pessoas que conheço, e continua funcionando do mesmo jeito.

Sucesso!!!

 

Link da dissertação: httpa://manutencaoemacao.com.br/dissertacao

Eymard Barroso

Author Eymard Barroso

More posts by Eymard Barroso

Leave a Reply

Translate »